Domingo, 1 de Agosto de 2010

Enough about you, lets talk about me

Por mais que o afirmem. É impossível haver muita gente solitária. Especialmente quando vivem todos num só espaço geográfico.  Pois que, se essas pessoas estão juntas, não estão solitárias, é uma simples dedução.

 

Ora, do que sofrem as pessoas que se queixam da sua solidão, não é da falta de companhia, é de não terem quem as oiça. Isso sim é possível, frequente e muitas vezes merecido. No meio das multidões que enxameiam as cidades, falta, de facto, quem tenha paciência para aturar certas criaturas.

 

Depois, quem não tem quem os ature, queixa-se da sua solidão, mas está a usar um termo errado. Está a cometer um equivoco de linguagemcomum e que uma vez desmascarado vem explicar porque é que os conteúdos não têm valor e porque é que os midia estão tramados se continuarem a querer cobrar às pessoas erradas.

 

Os diálogos entre pessoas são uma forma equilibrada de fazer com que todos possam dizer alguma coisa (que é o seu objectivo) sob o preço relativamente baixo de ouvir o outro. Portanto, o problema dos ditos solitários é que não conseguem equilibrar a sua expectativa de falar com a satisfação da necessidade dos outros em também serem ouvidos.

 

Quando há um desequilíbrio entre oferta e procura, tende a estabelecer-se um mercado. Ora foi isso mesmo que ocorreu com os midia no século vinte. Efectivamente pagavam às pessoas para as ouvirem a anunciar sabonetes. Pagavam sob a forma de entretenimento grátis e novelas num mundo em que a coisa mais divertida que as pessoas assistiam era à procissão no dia da santa.

 

Com o tempo, o entretenimento tornou-se tão abundante que começou a perder o valor da escassez e foi ficando cada vez mais difícil subornar pessoas com fogo de artifício para as obrigar a gramar com anúncios, tempo de antena ou apenas a vaidade de alguém. A internet foi o culminar do processo, acabando de vez com a possibilidade de pessoas pouco mais do que comuns serem pagas para falar.

 

Agora vamos assistir à extinção em massa das profissões de entreteiner.: Jornalistas, Colunistas, Escritores, Actores, Compositores, Pintores e outros produtores de conteúdos vão ter de se sujeitar ao modelo tiger woods. Ou seja, as suas actividades deixam de ser remuneradas e serão transformadas num hobbies, nas quais pagam só pelo privilégio de falar no mesmo espaço em que falam uma mão cheia de super-estrelas.

 

Os meios, os canais de distribuição destes conteúdos, se querem sobreviver, precisam de deixar de cobrar à audiência para passar a cobrar aos autores. Deixem de pagar aos colunistas e cobrar aos leitores e façam ao contrario. Cobrem aos pintores e paguem para as pessoas para estas irem vê-los às suas galerias.

 

Ninguém quer ouvir, todos querem falar e se há dinheiro no meio disto está em cobrar às pessoas para estas terem audiência. Oiçam o conselho que é grátis.

publicado por Consumering às 11:03
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Sobre a Consumering

Reclamações e Sugestões
h.a@consumering.pt

Consumering
Para transformar os seus produtos em marcas preferidas pelo consumidor, conheça a Consumering.

Consumering


ver perfil

seguir perfil

. 7 seguidores

Posts recentes

It's all about the money

O que ninguém avisou.

24-3-2024 – A anunciada E...

Como vencer (leia-se vend...

Onde está o dinheiro?

Como mentir em 6 lições

Ser super-heroi é uma sec...

a pedido

A informação estupidament...

Tradução: Vocês sabem o q...

Arquivo

Consumering


ver perfil

seguir perfil

. 7 seguidores

subscrever feeds

blogs SAPO

subscrever feeds