Domingo, 5 de Setembro de 2010

Ilusão de auto-confiança à escala nacional

Nestes dias de risco de não pagamento das dívidas soberanas, podem ser observados uns curiosos efeitos secundários. Notavelmente a Irlanda, que cedo assumiu ter sido demasiado optimista com os seus gastos e arrepiou caminho, tem sido proporcionalmente mais penalizada do que os Italianos, Espanhóis e Portugueses que malogrado deverem muito mais dinheiro e não terem meios para pagar se têm ocupado maioritariamente de assobiar para o ar.

 

Numa primeira análise parece contra-intuitivo que aqueles que se esforçam para resolver o seu problema sejam penalizados do mesmo modo dos que ignoram o problema. Parece contra-intuitivo porque de facto é o resultado de uma falha de julgamento causada por precipitação. Erro de interpretação no qual caem suficientes dos milhões de observadores que compõem os mercados de emissão das dívidas.

 

Explicando, um pouco melhor, o que se verifica é que de entre os milhões de compradores de dívida pública, há gente suficiente no mundo para cair no mais velho truque de burlão do mundo. A ilusão da autoconfiança. O que estes compradores parecem pensar é que se a Itália não se preocupa com o facto de dever mais dinheiro do que é capaz de produzir, deve ser porque lá têm alguma solução, ao contrario daqueles Irlandeses sem fibra que da forma como tremem em frente a uma dívida de nada estão de certeza em piores lençóis.

 

A aparente auto-confiança do vendedor foi demasiadas vezes correlacionada com qualidade do produto e o truque funciona desde as bancas de contrafacção nas feiras, passando pela publicidade, até que parece ter chegado agora à emissão de dívida soberana. Tal como os clubes de futebol, os Bancos, também os países podem comprar algum tempo se ignorarem os seus problemas e fizerem de conta que têm um plano salvador para o seu problema de viabilidade.

 

O truque é batido: empresas inviáveis, governos sem poder, gestores sem ideias, vendedores sem produto recorrer à ilusão de auto-confiança com tanta recorrência que só espanta que de tão gasta a farsa ainda seja eficaz. No caso da dissimulação de auto-confiança eficácia significa adiar para outra ocasião a confrontação com a falta de plano ou solução. Sendo certo que mais cedo ou mais tarde a verdade vem à tona, para muita gente, já que a falência é inevitável, se vier mais tarde é tanto melhor.

publicado por Consumering às 19:47
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Sobre a Consumering

Reclamações e Sugestões
h.a@consumering.pt

Consumering
Para transformar os seus produtos em marcas preferidas pelo consumidor, conheça a Consumering.

Consumering


ver perfil

seguir perfil

. 7 seguidores

Posts recentes

It's all about the money

O que ninguém avisou.

24-3-2024 – A anunciada E...

Como vencer (leia-se vend...

Onde está o dinheiro?

Como mentir em 6 lições

Ser super-heroi é uma sec...

a pedido

A informação estupidament...

Tradução: Vocês sabem o q...

Arquivo

Consumering


ver perfil

seguir perfil

. 7 seguidores

subscrever feeds

blogs SAPO

subscrever feeds